Cinco artistas brasileiros participarão da 59ª Bienal de Veneza, entre eles estão Jaider Esbell e Lenora de Barros

3 minutos para ler

Foram anunciados nesta quarta-feira (02) os cinco artistas brasileiros convidados para a 59ª Bienal de Veneza. Lenora de Barros, Rosana Paulino, Jaider Esbell, Luiz Roque e Solange Pessoa participarão da exposição principal, que acontece entre 23 de abril e 27 de novembro de 2022. A lista completa abarca 213 artistas de 58 países. 

Este é o maior número de artistas brasileiros desde a edição de 2007, com 5 artistas, sendo a edição de 2003 a que mais recebeu brasileiros, com 8 representantes convidados. 

Além destes, há mais dois formatos em que a participação de artistas brasileiros acontece; no pavilhão brasileiro e no pavilhão da República de Camarões. Neste último, as obras digitais são a tônica: os artistas brasileiros Eduardo Kac e João Angelini apresentarão obras de arte digital com certificação em NFT, junto a outros artistas selecionados pelos curadores Paul Emmanuel Loga Mahop e Sandro Orlandi Stagl.

Para o pavilhão brasileiro, o artista selecionado foi Jonathas de Andrade, escolhido por Jacopo Crivelli e anunciado em dezembro pela Fundação Bienal de São Paulo. O pavilhão se localiza nos Giardini, os jardins da Bienal de Veneza, e foi construído em 1964 a partir de um projeto do arquiteto Henrique Mindlin.

No anúncio da lista de artistas do pavilhão central, Jaider Esbell é o nome que se destaca em razão de sua atuação na 34ª Bienal de São Paulo, uma edição que contou com grande presença de artistas indígenas e debate sobre representatividade. Em paralelo, esteve à frente da curadoria da exposição Moquém_Surarî: arte indígena contemporânea no MAM-SP. Neste mesmo período, sua morte foi anunciada e recebida com grande pesar pela comunidade artística

A 59ª Bienal de Arte de Veneza, denominada “The milk of dreams”, tem curadoria geral de Cecília Alemani e foi inspirada no livro de mesmo nome da artista surrealista Leonora Carrington (1917-2011). Três são os temas principais trazidos pela curadora: a representação dos corpos e suas metamorfoses; a relação entre indivíduos e tecnologias; a conexão entre os corpos e a terra.

Segundo Alemani, “esta exposição está alicerçada em muitas conversas com artistas realizadas nos últimos anos. As questões que foram surgindo desses diálogos parecem capturar esse momento da história em que a própria sobrevivência da espécie está ameaçada, mas também resumir muitas outras indagações que permeiam as ciências, as artes e os mitos de nosso tempo. Como está mudando a definição do humano? O que constitui a vida e o que diferencia plantas e animais, humanos e não humanos? Quais são nossas responsabilidades para com o planeta, outras pessoas e outras formas de vida? E como seria a vida sem nós?” 


SERVIÇO

59ª Bienal Internacional de Veneza
Abertura 23 de abril de 2022
Encerramento 27 de novembro de 2022
Localização Campo de la Tana, 2169/f, 30122 Venezia VE, Itália
Curadoria Cecilia Alemani
Organização La Biennale di Venezia
Mais informações: site oficial da 59ª Bienal Internacional de Veneza

Victoria Louise é crítica e produtora cultural, formada em Crítica e Curadoria e Gestão Cultural pela PUC-SP.

Gostou desta matéria? Leia também:

Lançamento de livro explora as lacunas do centenário da Semana de Arte Moderna


Siga-nos e compartilhe nosso blog:
Posts relacionados

Deixe um comentário

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial