CASAS DE ARTISTAS INTERNACIONAIS QUE VIRARAM MUSEUS (PARTE 2)

11 minutos para ler

A Artsoul selecionou casas de artistas internacionais da história das artes plásticas que viraram museus.

São instituições que reconhecem a importância desses profissionais para a cultura mundial e, além disso, preservam a história vivida pelo artista como forma de ampliar o entendimento do público sobre o seu trabalho.

Conhecer o contexto da obra permite uma leitura mais complexa e consciente. Visitar estes lugares pode, então, ajudá-lo a compreender com mais clareza a produção de determinado artista.

Pablo Picasso

Visão externa do museu – Imagem: site oficial
Amazon.com: Guernica by Pablo Picasso Art Print, 43 x 22 inches: Posters &  Prints
Guernica, 1937 – Pablo Picasso – Imagem: Amazon

Pablo Picasso, nome conhecido mundialmente por seu trabalho na pintura, também tem seu nome atrelado a uma casa-museu. Diferente dos outros espaços que apresentamos, o museu não foi a residência pessoal do pintor.

Em 1946, na cidade de Antibes, na França, Picasso foi convidado pelo curador do Museu Grimaldi a montar seu ateliê em uma das alas do museu. Durante este período, Picasso produziu 23 pinturas e 44 desenhos, voltando após o período, para Paris.

Após diversas homenagens e exposições de seus trabalhos, em 1966, o museu passou a se chamar Musée Picasso. Em 1991, após doações da família, o acervo foi expandido ao adquirir mais obras do pintor.

É dado concreto que Pablo Picasso foi um grande artista. Fez parte de todo movimento modernista europeu, se destacando na pintura cubista cuja lógica inverteu os parâmetros da perspectiva renascentista criada e usada séculos antes. Seu trabalho pode ser traduzido como uma grande guinada na história da arte.

Casas de Artistas Internacionais – Informações
Musée Picasso, Antibes
Place mariejol, 06600 Antibes, França
Mais informações: site oficial

Casa Pueblo

Vista externa da Casa – Imagem Wikipedia

Vilaró, Carlos Páez - Áries
Áries – Imagem: Galeria André

A Casapueblo se tornou um ponto turístico no Uruguai. Foi pensada e construída pelo artista plástico Carlos Paez Vilaró entre 1958 e 1960, sendo sua residência e ateliê.

Vilaró se referia à sua construção como uma “escultura viva”, dado as proporções e o caráter manual das paredes.

A estética da Casapueblo se assemelha à casa de Salvador Dalí, pela predominância do branco e pela proximidade com o mar. A casa de Vilaró está localizada a 15 minutos de Punta Del Este, no sul do país.

Com sua estrutura majestosa, a casa foi dividida em partes, nas quais funcionam um museu em homenagem ao artista, uma galeria expositiva, uma loja, um café e um grande hotel.

O trabalho do pintor, escultor e escritor, é voltado para a representação da natureza, tendo o pôr do sol como uma de suas grandes paixões. Não por engano, a escolha do local se deu pela vista dos cômodos da Casapueblo que permite uma das mais belas observações do pôr do sol.

Após muito contato com a cultura africana em viagens e estudos, passou a representar em suas obras os tons da cultura afrodescendente sul-americana, se tornando um dos maiores nomes da arte plástica latino-americana.

Casas de Artistas Internacionais – Informações
Endereço – Casas de Artistas Internacionais – Carlos Paez Vilaró
Carlos Páez Vilaró S/N, Punta Ballena – Punta Del Este, Uruguay

Georgia O’Keeffe

Fachada da Casa da Artista – Imagem: Open House Magazine
Music Pink and Blue II, 1918 by Georgia O'Keeffe
Music, pink and blue no. 2, 1918 – Georgia O’Keeffe – Imagem: site da artista

A casa da artista estadunidense Georgia O’Keeffe pode ser considerada a menos luxuosa dessa lista.

Feita de argila, a casa tem grandes janelas panorâmicas e um visual modesto, quadrado, sem muitos adornos e naturalmente colorido com cores terrosas.

Assim se espelha o lado interno que, apesar de adotar uma claridade em tons pastéis, permanece sem adornos ou excesso de objetos. A artista é, inclusive, reconhecida por sua personalidade firme e visual austero e moderno.

Foi, já nos anos 1920, reconhecida como uma das artistas americanas mais importantes e bem sucedidas. Virou personalidade de referência não só por sua obra, mas pelo estilo de vida e independência.

Nasceu em Wisconsin, mas viveu parte significativa da sua vida artística no Novo México, onde está localizada a casa-museu.

Suas obras são um marco do modernismo estadunidense e se destacam pelo abstracionismo. O uso da opacidade nas cores também é elemento de destaque ao observar suas pinturas. A opacidade harmoniza com as cores terrosas frequentemente usadas nos trabalhos após sua mudança para o Novo México.

O acervo do museu conta com 150 pinturas e centenas de trabalhos em papel, objetos pessoais, pedras e ossos da coleção da artista e pincéis. Além de arquivos fotográficos nos quais era modelo.

Casas de Artistas Internacionais – Informações
The Georgia O’Keeffe Museum
217 Johnson St, Santa Fe – New Mexico
Mais informações: site oficial

Pierre- Auguste Renoir

Fachada da Casa – Imagem TripAdvisor
O baile no moulin de la Galette – Wikipédia, a enciclopédia livre
O baile no Moulin de la Galette, 1876 – Renoir – Imagem: Wikipedia

Foi a residência do pintor e sua família a partir de 1908 e está localizada em Cagnes-sur-Mer, no sudeste da França.

Renoir é amplamente referenciado como o pioneiro do movimento Impressionista. Este modo de pintar trouxe um grande choque ao tratar os motivos de representação como fugazes pontos de luz.

Não há, em sua estética, a nitidez das pinturas antigas com traços marcados no entorno, mas há uma intenção de traduzir uma impressão fugaz da cena, aquela que nossos olhos realmente capturam.

Os trabalhos passam a ser feitos ao ar livre, em movimento, com a luz natural do dia. Para sua época, essa postura causou estranheza por abalar a nitidez e tratamento de luz que se esperava de uma pintura.

A invenção da fotografia nos anos anteriores, fizeram os artistas plásticos repensarem sua proposta enquanto representantes do mundo visível. A fotografia, cumprindo este papel de forma tão certeira, trouxe liberdade representacional para os artistas que agora, poderiam representar suas impressões sobre seus motivos, sem deixar o compromisso figurativo dominar suas técnicas.

Esse foi o movimento que deu o pontapé inicial para todos os grupos modernistas que viriam em seguida.

O acervo do museu traz pinturas, esculturas e arquivos íntimos do pintor, além do mobiliário e a oficina na qual trabalhava.

Casas de Artistas Internacionais – Informações
Musée Renoir
19 Chemin des Collettes, 06800 Cagnes-sur-Mer, França
Mais informações: site oficial

Claude Monet

Ponte do Jardim Japonês projetado por Claude Monet – Imagem: site oficial
Curta a natureza com as obras de Monet - ISTOÉ Independente
Uma das pinturas da série Nanúfares inspirada em seus jardins – Imagem: Wikipedia

Ainda sobre impressionismo, outro nome em destaque é o de Claude- Monet. Com uma paisagem projetada pelo artista com flores variadas e um jardim aquático, a propriedade de Monet é um lugar que facilmente nos faz lembrar suas paisagens impressionistas.

A casa em si tem um tom bem histórico, sendo a intenção da equipe que realizou a restauração, manter os detalhes da maneira que eram originalmente.

A casa foi o lar da família de Monet por 43 anos. Sendo palco de inspiração para os maiores trabalhos do artista.

Ao lado de Renoir, seu amigo, deu as bases para a nova estética impressionista. O nome do movimento, foi, inclusive, uma referência ao seu quadro “Impressão, nascer do sol” de 1872.

A atração do acervo é, neste caso, mais voltada à vida pessoal, às técnicas, ao ateliê e à paisagem que inspirou o artista do que a exposição das pinturas em si. A experiência do visitante é uma imersão na atmosfera construída pelo artista.

Casas de Artistas Internacionais – Informações
Fondation Claude Monet
84 Rue Claude Monet, 27620 Giverny, França
Mais informações: site oficial

Jackson Pollock

Fachada da Casa – Imagem: Tripadvisor
Pollock: One: Number 31, 1950 | Amazon.com.br
One: No. 21, 1950 – Jackson Pollock – imagem: Amazon

A casa de Jackson Pollock e sua esposa, a artista Lee Krasner, em East Hampton foi escolhida com a intenção de se estabelecerem em um lugar simples e rural. As paredes internas foram derrubadas para ampliar o ambiente e trazer um conceito aberto. Próximo à casa, há um celeiro que se tornou o ateliê do pintor, onde produziu grande parte de suas obras.

Apesar de estarmos acostumados com a associação entre paisagens rurais e pinturas clássicas, as obras do casal foram desenvolvidas a partir de uma linguagem moderna. A paisagem rural inspirou as diversas composições abstratas que o casal veio a criar na época.

Pollock falava sobre suas obras como “energia e emoção visíveis”. É a matriz de um novo estilo de pintura surgido nos Estados Unidos que associa a pintura à ação e à performance. Retira o caráter apenas final de pintura enquanto objeto de observação, mas inclui o processo de pintar e os impulsos deste momento como parte integrante da obra. Essa proposta é referida como Action Painting e Happening, se entrelaçando também ao termo Performance Art.

O espaço está disposto hoje da forma como foi deixado: mobília, objetos pessoais, biblioteca, e a coleção de arquivos fonográficos. Há a curadoria periódica de pinturas dos dois artistas no ateliê e no interior da casa.

Casas de Artistas Internacionais – Informações
Pollock-Krasner house and study center
830 Springs-Fireplace Road, East Hampton, NY
Mais informações: site oficial

Wassily Kandinsky e Gabriele Münter

Fachada da Casa – Imagem: site oficial
Composição VIII (Kandinsky) – Wikipédia, a enciclopédia livre
Composição VIII, 1923 – Wassily Kandinsky – imagem: Wikipedia

Localizada na Alemanha, The Russenhaus (A Casa dos Russos), como ficou conhecida na época, foi habitada pelos artistas Wassily Kandinsky e Gabriele Münter entre os anos 1909 e 1914. Os artistas cultivaram um ambiente cheio de trabalhos artísticos, inclusive, na mobília que recebeu diversas adaptações e pinturas. Foi o lugar também de reunião entre personalidades da época que compunham o grupo de vanguarda da arte moderna.

Kandinsky foi uma das personalidades que deu a cara para o abstracionismo, deixando uma forte herança de liberdade de criação para a arte contemporânea.

O casal teve que sair do país quando estourou a 1º Guerra Mundial. A nacionalidade russa de Kandinsky o fez ser visto como inimigo.

Apenas em 1931, a artista Gabriele Münter voltou a morar na casa com seu novo parceiro, o historiador Johannes Eichner. Neste período, passou a guardar muitos dos trabalhos produzidos por ela, Kandinsky e seus contemporâneos que faziam parte da coleção do casal e armazenou o acervo no porão.

A casa, então restaurada em 1998/99, voltou a ser como era antes da Guerra e foi aberta ao público com o grande acervo de pinturas, objetos pessoais e mobília.

Münter House in Murnau
Kottmüllerallee 6 – 82418 Murnau
Mais informações: site oficial

Francisco de Goya

Fachada da Casa – Imagem: Spain Info
A Maja Nua - Francisco de Goya - 75x146 - Tela em Canvas Para Quadro |  Amazon.com.br
A Maja Nua, 1800 – Francisco de Goya – Imagem: Amazon

Na pequena cidade de Fuendetodos, na Espanha, há uma atmosfera especial. Foi o lugar onde nasceu e cresceu o pintor Francisco de Goya. Em diversos pontos da cidade, há referências à vida da família e do pintor. O turismo local gira em torno da casa-museu e dos fatos históricos da família Goya como atração cultural.

Próximo à casa, há a igreja na qual Goya foi batizado e nas proximidades, o local onde os antecedentes foram enterrados. Todos os dias 30 de março são motivo de comemoração municipal por ser o dia do nascimento de Goya.

A casa museu é um local de exposições periódicas e memória. Na fachada, há um busco do artista.

Sendo reconhecido como pintor da corte espanhola, pintou cenas da nobreza, mas não fechou os olhos diante dos horrores da guerra dos quais foi testemunha. Produziu muitas narrativas na linguagem da gravura com uma nova técnica chamada aquatinta, que permite o uso de sombreamentos, sem se limitar às linhas marcadas da água-forte.

Casas de Artistas Internacionais – Informações
Museo del Grabado de Goya 
Calle de la Fuente, 9, 50142 Fuendetodos, Zaragoza, Espanha
Mais informações: site oficial

Victoria Louise é redatora da ArtSoul formada pela PUC-SP em Arte: História, Crítica e Curadoria e Gestão Cultural

Gostou deste texto? Leia também:
CASAS DE ARTISTAS INTERNACIONAIS QUE VIRARAM MUSEUS (PARTE 1)

Siga-nos e compartilhe nosso blog:
Posts relacionados

Deixe um comentário

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial