“Enciclopédia Negra”: lançamento do livro revela projeto potente de inclusão

4 minutos para ler

O recém lançamento do livro “Enciclopédia Negra” revela um projeto minucioso e preciso ao coroar a individualidade de personagens negros que marcaram a história do Brasil.

A proposta é ousada: abarcar a complexidade e profundidade do país ao protagonizar pessoas até então invisibilizadas pela historiografia e por privilégios sociais brancos.

A pesquisa teve início em 2018 e foi finalizada em meados de 2020 com 550 biografias, 36 retratos e 720 páginas.

Os autores Flavio Gomes, Jaime Lauriano e a autora Lilia Schwarcz, trazem a diversidade do Brasil à pesquisa. Lilia Schwarcz e Flávio Gomes já organizaram outro título juntos, o “Dicionário de escravidão e liberdade”, lançado em 2018 no qual foram reunidos ensaios sobre os conceitos de escravidão e liberdade. Neste, porém, Jaime Lauriano compõe a pesquisa e, juntos, transformam o ponto de partida que agora não é mais um olhar sobre a escravidão, mas sobre a devolução da dignidade das pessoas que tiveram suas biografias apagadas.

Com currículos direcionados à pesquisa e historiografia do tema racial, é perceptível a responsabilidade social que norteou esta nova obra.

Capa do novo livro da Companhia das Letras “Enciclopédia Negra”, de Flávio dos Santos Gomes, Jaime Lauriano e Lilia Schwarcz lançado em 2021 – imagem: Editora Companhia das Letras

É dado conhecido que a história das pessoas negras foi reduzida à condição de escravidão e racismo, ao ponto de ser raras as abordagens que falam de um sem o outro. Mas neste volume, apesar de não negar a condição de escravizado de alguns dos retratados, a sua história foi pensada enquanto valorização do indivíduo, sua cultura e influência no coletivo.

As imagens foram cuidadosamente construídas para compor o livro de forma afirmativa aos verbetes. Os autores reforçam que não são ilustrações, no sentido de imagens coadjuvantes que acompanham o texto. São, na verdade, como verbetes avulsos por carregarem elementos simbólicos e terem a potência de representar uma narrativa própria.

Os retratados escolhidos são pessoas negras que viveram desde o século XIX até a atualidade. Além do recorte temporal, a abrangência geográfica é mais um acerto desta obra. Há uma predominância da valorização do eixo Rio-São Paulo na maior parte dos levantamentos históricos brasileiros. Neste volume, porém, houve a intenção de contemplar a diversidade das regiões. Como disse Flávio Gomes: “foi feito o exercício de incluir tudo o que era Brasil, não só litoral, mas também agreste”.*

Os artistas convidados para a composição dos retratos partiram das informações que foram entregues pelos pesquisadores, ao mesmo tempo que em muitos casos, os dados não eram muito conclusivos, o que levou a uma tarefa de reconstrução desses personagens de forma a não reproduzir o olhar histórico de população brancas às pessoas negras.

Aqui, a coerência foi levada ao limite, por valorizar as diversas nuances de cada representação em uma variedade de aspectos relativos à sexualidade, ao gênero e até, ao nome completo dos biografados.

Além da publicação, a Pinacoteca do Estado de São Paulo organiza uma exposição com abertura prevista para o mês de abril de 2021, na qual apresenta os 100 retratos de personalidades negras que foram produzidos por 35 artistas negros contemporâneos que integrarão, ao final da mostra, a coleção fixa da Pinacoteca, iniciando um movimento de ampliação da representatividade racial na instituição.

Esses dados inserem o projeto no escopo de publicações de forte caráter educativo que, somada à imensa abrangência de dados históricos, sensibilidade artística e responsabilidade social, o livro se torna candidato irrecusável ao currículo de uma educação democrática no Brasil.

   

Victoria Louise é crítica e produtora cultural, formada em Crítica e Curadoria e Gestão Cultural pela PUC-SP

_________________

*Citação extraída da conversa de lançamento do livro realizada em 30 de março com os autores no canal do Youtube da Companhia das Letras (disponível aqui).

Gostou deste texto? Leia também:
Pinacoteca de São Paulo lança experiência virtual 360º para Exposição OSGEMEOS: Segredos

Siga-nos e compartilhe nosso blog:
Posts relacionados

Deixe um comentário

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial