Artista brasileira Leda Catunda expõe em mostra do Malba ao lado de Alejandra Seemer

6 minutos para ler

A mostra Fuera de Serie propõe um diálogo entre duas artistas latino-americanas unidas no mesmo ponto criativo: o trabalho e a redefinição dos limites da pintura. Através de procedimentos e conhecimentos sobre pintura – e também sobre a cultura urbana, a arte moderna, o design e a natureza –, Leda Catunda (São Paulo, 1961) e Alejandra Seeber (Buenos Aires, 1968) produzem obras que absorvem tudo ao seu redor.

Elas exibem imagens de uma beleza estranha que aparecem entre camadas de tecidos, pinceladas e espaços alterados. Atendendo a este fio condutor que conecta cenas culturais e épocas distintas, a exposição reúne obras, estudos, esquetes e documentos históricos e recentes que permitem enfocar os seus percursos que se iniciaram entre as décadas dos anos oitenta e noventa no caso da Catunda e no final dos anos noventa para Seeber. Da mesma forma, no âmbito da exposição, será desenvolvido um programa público de palestras, workshops e ativações para pensar os modelos artísticos e os discursos que foram determinantes nesta genealogia da arte contemporânea.

Leda Catunda

Leda Catunda fala sobre sua nova exposição e cenário da arte contemporânea  | VEJA SÃO PAULO
Artista Leda Catunda – Imagem: Veja São Paulo

A artista Leda Catunda faz parte da chamada “geração 80” no Brasil, para a qual convergiam jovens artistas na volta da pintura nas principais instituições de São Paulo e do Rio de Janeiro. Num contexto de convulsão político-cultural marcado pelo fim da ditadura militar, a pintura foi vista como uma forma agradável de derrubar a subjetividade e experimentar –sem hierarquias– os materiais e os estilos artísticos. Além dessas instâncias, na obra de Catunda podem-se observar operações que vêm do artesanato, da pop art e do conceitualismo.

Sua passagem pela carreira artística na Fundação Armando Alvares Penteado foi fundamental, pois fez contato com professores como Regina Silveira e Nelson Leirner, que nos anos 1970 incentivaram a experimentação indisciplinada. Numa fase inicial, a diversidade de imagens que compõem o universo visual de Catunda – motivos florais, paisagens, pinturas figurativas e animais, colagens em tecidos e suportes domésticos – é apresentada nas suas propostas expositivas que fundem pintura e costura, alargando o plano para formas que incitem ao toque.

Anos depois, Leda Catunda começou a criar formas volumétricas e sedutoras nas quais o neoconcretismo, a cultura popular e o mundo natural se cruzam. Línguas, barrigas, gotas, véus, insetos, entre outros, constituem uma marca autoral que hoje se combina com as imagens que fazem ao gosto dos outros, como roupas, consumos e fotografias pessoais.

Alejandra Seeber

Desde o início dos anos noventa, a obra de Alejandra Seeber foi transformada por diferentes experiências estéticas que possibilitam a questão da pintura para além das tradições. Foi vital para sua formação passar por ambientes díspares e libertadores em torno da prática artística, como o ateliê da pintora Elsa Soibelman e o programa para jovens artistas idealizado por Guillermo Kuitca, uma bolsa que mudou o ensino da arte em Buenos Aires.

Seeber conceitua a pintura, mas não a partir de referências históricas, nem por meio de convenções, envolve uma cultura visual atravessada por sua própria jornada no rock alternativo, trabalhos em cenografia para peças e shows musicais, a vida no underground localizado na zona sul da cidade e programas digitais que começaram a ser usados ​​no design gráfico e na publicidade como uma novidade tecnológica no final do século passado.

Os interiores domésticos foram inicialmente o foco do trabalho de Seeber. Hoje ela está fazendo uma investigação do espaço, da arquitetura, da decoração e dos fragmentos mais triviais, mas aí encontra uma imagem do mundo que rapidamente explode com manchas, gotejamentos, gestos corporais e partes que se espalham pela pintura onde a relação com o fora e a figuração é difusa. Entre o comum que subjaz a vários artistas argentinos dos anos noventa, especialmente a aliança com o submundo estético que se dá na vida cotidiana, e os exercícios plásticos praticados na solidão da oficina, Seeber gerou uma forma particular de se conectar com a pintura sem sair dela.

Programa paralelo 1 || 3

Fuera de serie, faz parte do projeto Paralelo 1 || 3 , um novo programa de exposições que unifica dois espaços do museu – sala 1, localizada no térreo, e sala 3, no segundo andar – e as coloca para funcionar em diálogo.

Em ambas as salas serão apresentadas exposições de dois artistas em simultâneo, de forma a promover um diálogo entre contextos, gerações e repertórios discursivos, oferecendo perspectivas partilhadas e zonas de diferença. Dessa forma, busca iluminar as particularidades de suas obras, sugerindo temas e preocupações comuns, trocas entre suas trajetórias e estéticas, bem como reformulações tecnológicas, econômicas e sociopolíticas mais amplas. 

As obras de arte não são desenraizadas: nós as encontramos em um contexto – as salas do museu – que serve como uma estrutura para a interpretação. Portanto, este programa propõe exercícios de descontextualização e mobilização para desierarquizar as categorias geradas pelo próprio museu. Paralelo 1 || 3 incide na própria codificação dos espaços do Malba, apresentando uma disposição alternativa do percurso através do edifício e das exposições que contém.

O design do museu desempenha um papel central no novo programa. Por esta razão, o estúdio Adamo-Faiden Architects foi convidado a criar um conjunto de dispositivos especiais para o programa. A intenção desta intervenção é romper com a naturalização dos conteúdos apresentados e das funções pré-estabelecidas, ressignificando os quartos como parte de uma história maior que questiona sua suposta objetividade e nos convida a traçar paralelos entre narrativas visuais fragmentárias, carregadas de tensão e poesia.

Como parte essencial do programa, Malba vai lançar também uma nova coleção de publicações que incorpora, tanto no formato como no conteúdo, as noções de diálogo e investigação criativa do tandem que anima o programa. 

Serviço:
Malba – Museu de Arte Latinoamericano de Buenos Aires
Exposição “Fuera de Serie”
Período 19/02 a 09/08/21
Endereço: Av. Figueroa Alcorta 3415 – Buenos Aires, Argentina
Funcionamento: 12:00 às 20:00 (exceto às terças-feiras)

*texto do Museu de Arte Latinoamericano de Buenos Aires original em espanhol e traduzido para o português por Artsoul

Siga-nos e compartilhe nosso blog:
Posts relacionados

Deixe um comentário

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial